» Abril/2021
.
08/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Campo Grande autua três infratores em R$ 18,6 mil por exploração ilegal de madeira para comércio.
Policiais Militares Ambientais de Campo Grande realizavam fiscalização ambiental nas propriedades rurais do município de Jaraguari e em complemento também realizavam orientações sobre incêndios nos trabalhos informativos da operação Prolepse, de prevenção e combate aos incêndios, com distribuição de “folders” e orientando os moradores rurais sobre os problemas dos incêndios e, durante os trabalhos, no Assentamento fazenda Jatobá, localizado a 5 km da cidade de Jaraguari ontem (7) localizaram uma área de exploração ilegal de madeira.
A equipe surpreendeu três homens que derrubavam árvores, beneficiavam a madeira com uso de motosserras e, no momento da chegada dos Policiais, eles estavam carregando o material beneficiado em um caminhão. No local havia 50 árvores de grande porte derrubadas recentemente de algumas espécies, predominantemente da espécie angico, sem autorização ambiental. Também foram encontradas quatro motosserras que eram utilizadas no beneficiamento da madeira.
Foram apreendidos e recolhidos ao pátio do quartel da Polícia Militar Ambiental em Campo Grande: as motosserras, 30 palanques e 20 vigas, medindo 3,5 m³ e mais 17 palanques e 17 vigas, medindo 2 m³. A madeira era explorada no lote pertencente a mãe de um dos infratores, o qual iria realizar o comércio do material. A exploração era feita na mata, no local da derrubada das árvores. O infrator (51), residente no lote, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 16.000,00.
Os outros dois que ajudavam na exploração ilegal da madeira e eram proprietários das motosserras, ambos residentes em Campo Grande, um de 63, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 1.600,00 e o outro de 47 anos, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 1.000,00.
Os três responderão pelo crime ambiental de exploração ilegal de madeira, com pena prevista de seis meses a um ano de detenção, pela Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal n° 9.605/12/2/1998).

07/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Campo Grande captura gambá em residência no bairro Vila Carvalho.
A proprietária de uma residência, localizada à rua Mascarenhas no bairro Vila Carvalho, telefonou para os Policiais Militares Ambientais de Campo Grande informando que hoje (7) pela manhã, um gambá (Didelphis albiventris) adentrara o quintal de sua residência e havia subido em uma árvore.
Uma equipe da PMA foi ao local e verificou a necessidade de captura do animal, tendo em vista que ele poderia descer da árvore e ser atropelado na rua. Além disso, não havia vegetação nas proximidades. O gambá foi capturado e foi encaminhado ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), onde passará por atendimento médico veterinário e será reintroduzido na natureza.

07/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Aquidauana autua empresário por incêndio dentro da operação Prolepse de prevenção aos incêndios.
Ao tomar conhecimento pela mídia, de que a Polícia Militar Ambiental está desenvolvendo a operação “Prolepse” de prevenção aos incêndios em Mato Grosso do Sul e que dentro dos trabalhos, os incêndios urbanos também serão prevenidos e combatidos como uma das metas da operação, a população tem denunciado cada vez mais as pessoas que insistem em realizar incêndios. A população de Aquidauana e Anastácio realmente compraram a briga com as pessoas que insistem em praticar essas infrações.
Depois da autuação de um pedreiro no dia (5), o décimo infrator foi autuado ontem (6) pela manhã, por incêndio desde o dia 23 de março pela PMA de Aquidauana, por denúncia de populares prejudicados pela fumaça. Nove por incêndios urbanos e um por incêndio rural em pastagem. Os Policiais Militares Ambientais de Aquidauana receberam denúncias de moradores da cidade de Anastácio, reclamando da quantidade de fumaça, em razão de queima de resíduos de vegetação ao ar livre em perímetro urbano, no bairro Assuí, que era executado por um empresário nas proximidades de sua residência.
Uma equipe compareceu ao local e encontrou o denunciado, que incendiava no momento restos de galhadas e vegetação que havia limpado em um terreno, causando muita fumaça e os transtornos aos vizinhos. A PMA ordenou e auxiliou o autor na extinção do fogo. O infrator (50) foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 400,00.

06/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Rio Negro autua pecuarista em R$ 6,9 mil por uso de 911 pranchas e 153 e mourões, medindo 23 m³ de madeira ilegal utilizada em mangueiro.
Uma equipe da Polícia Militar Ambiental de Rio Negro realizou fiscalização na parte alta do território do município de Corumbá, a aproximadamente 95 km da cidade de Rio Negro e autuou hoje (6) um proprietário rural, por armazenamento e uso de produto florestal sem autorização ambiental. Os Policiais vistoriaram a propriedade rural e apreenderam 23 m³ de madeira sem origem, sendo 911 pranchas e 153 toras (mourões), que estavam sendo utilizados em um mangueiro na fazenda.
O produto florestal estava sendo utilizado sem autorização ambiental (DOF – Documento de Origem Florestal) e, consequentemente, sem origem. O DOF é o documento ambiental para o transporte e armazenamento e uso de qualquer produto florestal, o que se caracteriza como crime ambiental. A PMA não conseguiu identificar de onde foi explorada a madeira.
O infrator (74), residente em Campo Grande, foi autuado administrativamente em R$ 6.1900,00. O autuado também responderá por crime ambiental. Se condenado poderá pegar pena de seis meses a um ano de detenção.

06/04_MS_ PMA de Águas do Miranda (Distrito de Bonito) autua campo-grandense em R$ 30 mil por desmatamento ilegal de vegetação nativa protegida por lei.
Um desmatamento ilegal em área protegida de reserva legal no município de Bonito, foi localizado com uso de GPS, quando Policiais Militares Ambientais do Distrito de Águas do Miranda (município de Bonito - local conhecido como Km 21), realizaram fiscalização em uma fazenda ontem (5). A supressão ilegal de 5,45 hectares de vegetação nativa dentro da área protegida foi descoberta por técnica de sobreposição de imagem de satélites.
Durante a vistoria, foi utilizado aparelho de GPS para localização e aferição. O desmatamento ocorreu no ano passado, conforme comparação das imagens e a área já estava em regeneração no dia da vistoria. A madeira proveniente da vegetação desmatada ilegalmente já havia sido explorada e não se encontrava mais no local.
O infrator (42), residente em Campo Grande, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 30.000,00, multa agravada pela área ser protegida por lei. Ele também responderá por crime ambiental com pena de um a três anos de detenção. O infrator foi notificado a apresentar um Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA) junto ao órgão ambiental estadual.

05/04_MS_ PMA prorroga operação Semana Santa/Big Fish I/21 devido à grande quantidade de pescadores detectada nos rios.
A Polícia Militar Ambiental decidiu prorrogar por mais um dia a operação Semana Santa, especialmente, a fiscalização às atividades que trabalham de alguma forma com recursos pesqueiros na operação denominada “BIG FISH I/21”, iniciada na quarta-feira (31) às 8h00, com previsão de duração até 8h00 de hoje (5).
A operação será prorrogada por mais um dia e agora terminará às 8h00 de amanhã (6). Os motivos são porque os Policiais detectaram um número grande de pescadores nos rios e, pior, vários praticando pesca ilegal.
Outro motivo da prorrogação é a grande quantidade de redes de pesca, anzóis de galho e espinheis (petrechos proibidos) que estão sendo encontrados e retirados dos rios, com mais de 100 redes já retiradas e apreendidas, quando vários peixes que estavam presos aos petrechos ilegais foram soltos.
OUTROS CRIMES E INFRAÇÕES - Além disso, os Policiais das 26 Subunidades, que estão trabalhando com os demais crimes e infrações ambientais estão encontrando muitas irregularidades contra a fauna e flora.

05/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Três Lagoas autua em R$ 2 mil quatro pescadores por pesca ilegal e apreende pescado e 400 metros de redes de pesca.
A Polícia Militar Ambiental de Três Lagoas estava com equipes realizando fiscalização nos rios Paraná, Verde e Sucuriú, na operação Big Fish I/21, que ocorreu dentro da operação Semana Santa, encerrada hoje às 8h00. Ontem (4), a equipe que trabalhava no rio Sucuriú abordou 13 embarcações e, ao todo 27 pescadores, no município e autuou quatro deles por pescar sem licença ambiental.
Foram autuados dois paulistas, um de 52 anos, residente em São Paulo (SP), outro de 57 anos, residente em Embu das Artes (SP) e dois de 34 e 50 anos, residentes em Três Lagoas. Com os pescadores foram apreendidos 6 kg de pescado e quatro molinetes com varas. Os policias efetuaram auto de infração administrativo e aplicaram multa no valor de R$ 500,00 contra cada autuado. A pesca sem licença não é crime ambiental. Trata-se apenas de infração administrativa.
PETRECHOS ILEGAIS APREENDIDOS:
A equipe ainda retirou diversos petrechos ilegais do rio e soltou peixes que estavam presos aos petrechos ilegais. Foram retiradas 15 redes de pesca do rio, medindo 400 metros de comprimento. Os Policiais não localizaram os infratores que haviam armado as redes de pesca.

04/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Bela Vista surpreende dois pescadores pescando com tarrafa no rio Apa na fronteira e apreendem petrechos ilegais de pesca.
Policiais Militares Ambientais de Bela Vista, que trabalham na operação “Big Fish I/21”, braço da operação Semana Santa, depois de prender dois paraguaios ontem (3) praticando caça e com armas, durante fiscalização fluvial no rio Apa, no município, continuam em fiscalização na região. Hoje (4) pela manhã, os Policiais surpreenderam dois infratores que praticavam pesca predatória, com tarrafa. Eles estavam à margem do rio, no lado paraguaio, pescando com o petrecho e evadiram-se pelo território daquele país ao avistaram os Policiais, não podendo mais serem perseguidos. A tarrafa e cinco anzóis de galho que foram abandonados pelos infratores foram apreendidos.
Durante o patrulhamento, os Policiais ainda cortaram mais 35 anzóis de galho que estavam armados no rio. A presença constante de equipes nessa região é fundamental para evitar a pesca predatória, mesmo com dificuldades de se efetuar a prisão dos elementos, devido à facilidade de fuga em território do país vizinho.

04/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Cassilândia prende e autua um homem e uma mulher por pesca predatória ao capturar pescado abaixo da medida permitida no rio Aporé.
As 26 Subunidades da Polícia Militar Ambiental estão trabalhando na operação Semana Santa, sendo que dentro desta operação, 90 Policiais foram designados com o foco nas operações fluviais nos rios sob suas circunscrições, na operação Big Fish I/21. Durante fiscalização fluvial no rio Aporé no município, a 87 km da cidade, Policiais Militares Ambientais de Cassilândia prenderam e autuaram dois pescadores por capturar e abater pescado abaixo da medida permitida ontem (3) no final da tarde.
Os Policiais abordaram os pescadores, quando praticavam pesca com uso de carretilhas com varas e tinham capturado cinco exemplares de peixes da espécie piau-três-pintas, sendo que quatro deles estavam abaixo do tamanho mínimo permitido para a captura por lei. Duas carretilhas com varas, um puçá e o pescado foram apreendidos.
Os Infratores, uma mulher de 49 e um homem de 25 anos, residentes em Cassilândia, receberam voz de prisão e foram conduzidos à delegacia de Polícia Civil de Cassilândia, juntamente com o material apreendido, e responderão por crime ambiental de pesca predatória. A pena é de um a três anos de detenção e multa. Os infratores também foram autuados administrativamente e foram multados em R$ 720,00 cada um.

03/04_MS_ PMA de Campo Grande e Coxim autuam terceiro por pesca predatória na divisa com Mato Grosso e apreendem pescado, barco, motor e petrecho de pesca.
O terceiro pescador, o segundo mato-grossense, foi autuado por pesca predatória, por equipes da Polícia Militar Ambiental de Campo Grande e Coxim, que trabalham na operação Big Fish I/21, dentro da operação Semana Santa, e estão realizando fiscalização nos rios Correntes, Piquiri e São Lourenço e afluentes, na divisa com o Estado de Mato Grosso, região muito procurada para a pesca.
O pescador (45) foi abordado hoje (3) no rio Piquiri, já no município de Corumbá, quando estava em uma embarcação e havia capturado três exemplares de peixes da espécie pacu, pesando 4 kg, havendo dois dos exemplares abaixo do tamanho mínimo de captura permitido pelas normas, o que se caracteriza como crime ambiental. Um exemplar media 40 centímetros, quando o tamanho mínimo de captura e abate é de 45 centímetros para a espécie.
O pescador amador, também só poderia capturar e abater um exemplar de peixe nativo e mais cinco exemplares de piranha, conforme cota estabelecida em norma. Portanto, havia capturado pescado acima da quantidade permitida, fato que também é caracterizado como crime. O pescado, o barco, o motor de popa e um molinete com vara foram apreendidos.
O infrator, um motorista, residente em Rondonópolis (MT), responderá por crime ambiental de pesca predatória. A pena para o crime é de um a três anos de detenção. Ele também foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 800,00. O pescado foi doado para ribeirinhos na região, conforme prescrição prevista em lei.

03/04_MS_ Polícia Militar Ambiental devolve à proprietária cachorro encontrado abandonado no Parque dos Poderes e que havia fugido há quatro dias no bairro Jardim Monumento.
Depois de divulgado na imprensa pela Polícia Militar Ambiental o encontro de um cachorro com sinais de desnutrição no Parque dos Poderes, ontem (2), compareceu ao quartel da Polícia Militar Ambiental de Campo Grande, a proprietária do animal, de 52 anos, a senhora Luiza da Silva Pacheco. Segundo ela, o cachorro havia fugido da residência há quatro dias e a família o estava procurando. Quando viu a notícia na imprensa não teve dúvida de que era o seu Boby. A mulher agradeceu à PMA pelos cuidados e desprendimento de recolher o animal e até conseguir médico veterinário que atendeu o cão. A PMA agradece à medica veterinária Gessele Elias Pacheco, que voluntariamente atendeu o cachorro.
O FATO (ENCONTRO – DIVULGADO ONTEM)
Uma equipe da Polícia Militar Ambiental de Campo Grande passava pelo Parque dos Poderes ontem (1) às 21h00 e percebeu um cachorro aparentando desnutrição e com alguma dificuldade de locomoção. A equipe conseguiu capturar o animal e o levou ao quartel, no Parque das Nações Indígenas. O cachorro apresentava certa desnutrição e alguns ferimentos que poderiam indicar um atropelamento de pouca gravidade. Apesar do estado do animal, a PMA calcula que ele possa ter fugido de alguma residência da região há algum tempo e estar perdido. Porém, infelizmente, também pode ter sido abandonado.
Os Policiais solicitaram um médico veterinário para atendimento do cachorro e conclama ao possível dono que possa ir buscá-lo. Caso não apareça o proprietário, a PMA encaminhará o cão para algum abrigo, ou ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) na Capital.

02/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Campo Grande captura cachorro com aparência de mestiço de labrador com ferimento e desnutrido no Parque do Poderes e procura possível proprietário.
Uma equipe da Polícia Militar Ambiental de Campo Grande passava pelo Parque dos Poderes ontem (1) às 21h00 e percebeu um cachorro aparentando desnutrição e com alguma dificuldade de locomoção. A equipe conseguiu capturar o animal e o levou ao quartel, no Parque das Nações Indígenas. O cachorro apresentava certa desnutrição e alguns ferimentos que poderiam indicar um atropelamento de pouca gravidade. Apesar do estado do animal, a PMA calcula que ele possa ter fugido de alguma residência da região há algum tempo e estar perdido. Porém, infelizmente, também pode ter sido abandonado.
Os Policiais solicitaram um médico veterinário para atendimento do cachorro e conclama ao possível dono que possa ir buscá-lo. Caso não apareça o proprietário, a PMA encaminhará o cão para algum abrigo, ou ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) na Capital.

02/04_MS_ PMA de Miranda prende e autua um pescador profissional e autua uma pescadora amadora por pesca ilegal e apreende pescado, dois barcos, dois motores e petrechos de pesca.
Equipes da Polícia Militar Ambiental de Miranda, que trabalham na operação Big Fish I/21, dentro da operação Semana Santa, estão realizando fiscalização no rio Miranda e prenderam e autuaram ontem (1) um pescador profissional por pesca predatória e autuaram uma mulher por pesca ilegal.
O pescador profissional foi abordado, por uma das equipes, quando estava em uma embarcação nas proximidades da ponte da rodovia MS 339, no município, e havia capturado cinco exemplares de peixes da espécie pintado, pesando 18 kg, havendo dois dos exemplares abaixo do tamanho mínimo de captura permitido pelas normas, o que se caracteriza como crime ambiental. Os peixes tinham 73 e 74 centímetros quando o tamanho mínimo de captura é de 85 centímetros. O pescado, o barco, o motor de popa, um molinete com vara e duas tarrafas para captura de iscas foram apreendidos.
O infrator (38), residente em Bonito, recebeu voz de prisão e foi conduzido à delegacia de Polícia Civil de Miranda, juntamente com o material apreendido e responderá por crime ambiental de pesca predatória. A pena para o crime é de um a três anos de detenção. Ele também foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 1.360,00. O pescado será doado para instituições filantrópicas depois de periciado.
PESCA SEM LICENÇA
Outra equipe autuou uma pescadora (59), por pescar sem licença ambiental. Ela estava em uma embarcação nas proximidades do distrito do Salobra, quando foi abordada pelos Policiais, iniciava a pescaria e não havia capturado pescado ainda. Com a pescadora foi apreendido um molinete com vara, um barco e um motor de popa.
Os policias efetuaram um auto de infração administrativo e aplicaram multa no valor de R$ 300,00 contra a autuada. A pesca sem licença não é crime ambiental. Trata-se apenas de infração administrativa. Pagando a multa, o infrator poderá ter o material apreendido restituído.

1º/04_MS_ Polícia Militar Ambiental de Bonito autua em R$ 7,5 mil gerente de fazenda detido pela Polícia Militar Rodoviária transportando agrotóxicos ilegalmente.
Policiais Militares Ambientais de Bonito, que trabalham na operação Semana Santa, foram acionados por Policiais da Polícia Militar Rodoviária daquela cidade, em razão da abordagem ontem (31) de um veículo Toyota Hillux, conduzido por um homem de 23 anos, residente na cidade de Laguna Carapã, que se identificou como gerente de fazenda, por infração de trânsito, mas que também foram encontrados agrotóxicos na carroceria.
No local, a equipe da PMA verificou na carroceria do veículo 14 quatorze galões de 20 litros de agrotóxicos da marca ROUNDUP do herbicida glifosato e um galão de 20 litros de inseticida marca KARATE ZEON 250 CS, que o infrator afirmou primeiramente que transportava de Laguna Carapã, para uma fazenda em Bonito e depois mudou a versão da origem, afirmando que saíra da cidade de Jardim. Ele não possuía nota fiscal do produto e o transporte era realizado totalmente fora das normas para aquele tipo de produto perigoso. O agrotóxico e o veículo foram apreendidos.
O infrator foi autuado administrativamente em R$ 7.500,00 pela equipe da PMA e também foi conduzido à delegacia de Polícia Civil de Bonito e responderá por crime de contrabando e por crime ambiental, de transporte de produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente, previsto pelo artigo 56 da Lei Federal nº 9.605/12/2/1998. A pena para o crime ambiental é de um a quatro anos de reclusão.

1º/04_MS_ PMA de Campo Grande e Coxim autuam goiano por capturar pescado abaixo da medida e acima da cota permitidas e apreende pescado, barco, motor e petrecho de pesca.
Equipes da Polícia Militar Ambiental de Campo Grande e Coxim, que trabalham na operação Big Fish I/21, dentro da operação Semana Santa, estão realizando fiscalização nos rios Correntes, Piquiri e São Lourenço, na divisa com o Estado de Mato Grosso, região muito procurada para a pesca e prenderam ontem (31), um pescador amador, de 45 anos, por pesca predatória.
O pescador foi abordado no rio Piquiri, quando estava em uma embarcação e havia capturado 15 exemplares de peixes, sendo dois exemplares da espécie piraputanga, oito piranhas e cinco piau-três-pintas, havendo um dos exemplares de piau abaixo do tamanho mínimo de captura permitido pelas normas, o que se caracteriza como crime ambiental.
O pescador amador, também só poderia capturar e abater um exemplar de peixe nativo e mais cinco exemplares de piranha, conforme cota estabelecida em norma. Portanto, havia capturado pescado acima da quantidade permitida, fato que também é caracterizado como crime. O pescado, o barco, o motor de popa e um molinete foram apreendidos.
O infrator, residente em Jataí (GO), responderá por crime ambiental de pesca predatória. A pena para o crime é de um a três anos de detenção. Ele também foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 760,00. O pescado será doado para instituições filantrópicas depois de periciado.



Bolivar Porto/2020