AÇÕES 2017

09/10/2019
MS - Operação há mais de um mês da Polícia Militar Ambiental e Ibama contra o tráfico de papagaios levou pessoa até a abandonar papagaios domesticados

Há mais de um mês, a Polícia Militar Ambiental e o Ibama realizam a Operação Bocaiúva, iniciada em 2 de setembro, com o objetivo de prevenir a retirada de filhotes de papagaios dos ninhos pelo tráfico. O município de Novo Horizonte do Sul tem sido onde o problema tem persistido com mais frequência e onde existem mais pessoas que têm sido presas por envolvimento com o tráfico dos animais em todos os anos.
Ao conhecer a forma de agir dos traficantes, principalmente de aliciamento de assentados, funcionários de fazendas, entre outros, para fazerem as retiradas dos filhotes e depois comprarem, ninhos, principalmente os que sofreram violações no ano passado estão sendo monitorados e toda a região de tráfico está com equipes em trabalhos preventivos de bloqueios e nas propriedades e assentamentos rurais.
Dentre os trabalhos realizados, a orientação e informação sobre a legislação e os problemas criminais e de multas também para quem adquire e tem em cativeiro os animais é uma das estratégias das equipes. Por essa razão, hoje (9) no início da tarde, um Policial que trabalha na região recebeu ligação de um conhecido que reside em Novo Horizonte do Sul, pedindo orientação, onde poderia entregar dois papagaios que sua tia havia encontrado abandonados em uma rua da cidade. O Policial orientou que as aves fossem entregues no Pelotão da Polícia Militar da cidade.
Os animais adultos e já domesticados foram abandonados por alguém que ficou com receio de ser pego com os papagaios, tendo em vista diversas vistorias realizadas pelas equipes na cidade e em propriedades rurais nesse período de operação. As aves serão encaminhadas ao Centro de Reabilitação de Animais silvestres.
OPERAÇÃO BOCAIÚVA
A PMA, o IBAMA e o Imasul, como no ano passado, no período reprodutivo dos psitacídeos (papagaio, arara, periquitos, maritacas, etc.) estão realizando operação contra o tráfico de animais silvestres, especialmente o papagaio. Nesta primeira fase, a “Operação Bocaiúva” envolve 43 policiais e fiscais e foi iniciada na quinta-feira (12), no intuito principal de evitar a retirada dos filhotes dos ninhos, tendo em vista, que depois da retirada das aves, mesmo quando se apreendem, os problemas à natureza e os custos econômicos, para cuidar dos animais até a reintrodução envolvem muito dinheiro público.
Enquanto as equipes se distribuem em fazendas e bloqueios, os outros órgãos de segurança, como, Unidades da Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal, principalmente da região com maior índice do tráfico, foram alertados para atentarem para o problema neste período.
REGIÃO PRINCIPAL DO TRÁFICO E PERÍODO PREOCUPANTE
A região principal do problema de tráfico de papagaio e que é monitorada é basicamente a que constitui os municípios próximos às divisas com os estados de São Paulo e Paraná, como Jateí, Batayporã, Bataguassu, Ivinhema, Novo Horizonte do Sul, Anaurilândia, Santa Rita do Pardo, Nova Andradina, Três Lagoas e Brasilândia, além de Naviraí, Itaquiraí, Eldorado e Mundo Novo, porém, a operação está sendo realizada em todo o Estado, como em 2018, quando houve redução na retirada de filhotes de papagaios no Estado.
Nesta operação, com foco principal a evitar a retirada, ninhos estão sendo monitorados e fechadas as saídas do Estado com bloqueios, especialmente, nas saídas para o estado de São Paulo, que é o destino principal registrado dos filhotes de papagaios traficados em Mato Grosso do Sul.
O período de agosto a dezembro é preocupante com relação ao tráfico de animais silvestres, pois é o período reprodutivo dos papagaios que é o animal mais traficado no Estado. A PMA mantém trabalhos preventivos nas propriedades rurais para prevenir a retirada dos animais e aliciamentos de funcionários de fazendas e assentados pelos traficantes, para a retirada dos filhotes.
MODUS OPERANDI DOs TRAFICANTES
Conhecendo o modus operandi dos traficantes, para prevenir, a PMA e IBAMA realiza trabalhos preventivos nas propriedades rurais, por meio principalmente de informação da legislação. Barreiras também são executadas nas saídas para o estado de São Paulo, que é para onde os papagaios retirados têm saído.
Devido a forma de agir dos traficantes, às vezes, não se consegue evitar a retirada dos animais e se apreendem nas operações, porém, o trabalho no campo é fundamental para a prisão dos traficantes, ou pessoas aliciadas, tendo retirado poucos filhotes. Por exemplo: em uma ocorrência da PMA, no município de Brasilândia, onde foram apreendidos 16 filhotes de papagaios em 2016, com um funcionário aliciado por traficantes detido em flagrante em retirada dos animais dos ninhos, quando a encomenda feita pelo traficante era de 350 papagaios. Ou seja, caso a PMA não executasse esse trabalho preventivo nas propriedades rurais, pelo menos 350 animais seriam retirados naquele ano e, possivelmente, apreendidos nas estradas, ou que chegariam ao consumidor final.
OPERAÇÕES CONJUNTAS COM IBAMA E ICMBIO (2018)
No ano passado (2018), no período crítico de retirada de papagaios, agosto a dezembro, a PMA realizou diversas operações preventivas em conjunto com o IBAMA e ICMBIO, com 55 participantes entre Policiais e fiscais, com apoio do IBAMA de Brasília. Essas operações preventivas podem ter influenciado na diminuição de apreensões dos papagaios em 2018, com relação a 2017.
PROBLEMAS DO TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES
O tráfico de animais silvestres é considerado a terceira atividade criminosa mais rentável, perdendo apenas para o tráfico de drogas e o tráfico de armas. Porém, em Mato Grosso do Sul, o problema se resume quase que especificamente ao papagaio.
Como o que interessa ao comprador na espécie, é a capacidade que ela tem de aprender a imitar a voz humana, a retirada só é realizada enquanto filhote. Por esse motivo, o período de agosto a dezembro é preocupante com relação ao tráfico de animais silvestres no Estado de Mato Grosso do Sul, pois é o período reprodutivo dos papagaios, que é o animal mais traficado no Estado.
Por isso, neste período, operações preventivas nas propriedades rurais para prevenir a retirada dos animais e aliciamentos de funcionários de fazendas e assentados pelos traficantes, para a retirada dos filhotes são fundamentais. Também é importante a vigilância a traficantes presos em anos anteriores. Bloqueios são importantes também nas saídas do estado são, pois evitam que traficantes de fora e locais sintam-se tentados a praticar o crime.